Google Website Translator Gadget

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Na Coxia: Uma casa de mulheres fortes



Domingo (21/04/2013) tive o imenso prazer de ir assistir “A Casa de Bernarda Alba” no Theatro Carlo Gomes, em Vitória/ES.
O espetáculo é uma adaptação da obra do dramaturgo e poeta espanhol Frederico Garcia Lorca (1898-1936), assassinado durante o regime fascista do General Francisco Franco (1892-1975), feita por Vanessa Schaydegger.
A peça, no original, conta com muitos personagens transitando nos três atos. Já na adaptação, Schaydegger se concentrou em manter a intriga que ocorre dentro da casa de Bernarda Alba, matriarca linha dura, entre ela, suas cinco filhas e sua empregada mais antiga, Poncia, testemunha e cumplice de tudo que ocorre.
O drama é pesado e tem uma enorme carga dramática que as atrizes Lilian Menenguci, Fabiane Simões, Giovana Voig, Victoria Ramos, Eneidis Ribeiro e Marcia Moraes, que interpretam as personagens, carregam para o palco, com a direção de José Luiz Gobbi, que fez da casa um jogo de cena, com cadeiras e dois armados de ferro, que dão a movimentação e enriquecem a cena.
A carga dramática dada pelas atrizes é fenomenal, pois mesmo que personagens como a frágil Angustias, que ganha corpo e voz n a interpretação de Victoria Ramos, ganha um enorme peso na interpretação. O peso da idade também pode ser notado na interpretação da atriz Lilian Menenguci que da vida a matriarca Bernarda Alba, que além de se locomover com peso sobre uma bengala, tem uma voz cansada e fatigada, mas que sabe ainda como comandar a própria casa. Outra que também demonstra um total serviência e um cansaço do tempo é a atriz Fabiane Simões interpretando Poncia.
Esta testemunha de tudo que ocorre na casa, as vezes faz o papel de cumplice das aventuras da jovem Adela, interpretada pela atriz e bailarina Giovana Voig, que mostra um faceta solta e destemida da personagem, capaz de enfrentar tudo e todos pelo que deseja. A atriz Eneidis Ribeiro também está excelente no papel de Martírio, perseguindo Adela e demonstrando seu ciúmes pela irmã ser tão livre. A persoangem de Madalena, interpretada pela atriz Márcia Moraes, também tem enorme importância, observando a tudo e a todos, mas sem deixar esmorecer.
A trilha sonora e a iluminação enriquecem ainda mais o espetáculo, dando o tom carregado e pesado, ao qual o próprio diretor fala antes da peça se iniciar. Gobbi ainda menciona que podemos ver Bernarda Alba, personagem esta baseada por Lorca em uma pessoa real, pode ser vista como o Regime Franquista, autoritário e recessor, enquanto a personagem de Adela pode ser visto como o povo espanhol, buscando sua liberdade, não importando que medidas deverá tomar.
No folder do espetáculo, citam Lorca: “ ‘O teatro é uma poesia que sai do livro e se faz humana’. Só assim, ‘fala, grita, chora e se desespera’. [...] ‘As personagens têm que ser tão humanas, tão horrorosamente trágicas e ligadas à vida’ [...] ‘com uma força tal que mostrem suas tradições’ [...], suas dores, amor ou asco”, e tudo isso consegue se ver nesta adaptação de “A Casa de Bernarda Alba”, pois mesmo as palavras duras são como poema em cena, ganhando corpo na interpretação dessas bravas atrizes que assumem o papel de mulheres movidas por alguma necessidade.
Espero o retorno em breve deste espetáculo, que merece mais do que uma curta temporada no Carlos Gomes, ganhando outros palcos e mais apresentações.

Fotos: Sávio Heringer (http://www.savioheringer.com.br/)

3 comentários:

Capixaba Aventureira disse...

Assisti no sábado e entrei em completo transe no fim da peça. Não conseguia me levantar e senti uma imensa vontade de chorar. Me senti órfã e segundos depois consegui perceber que a intensidade toca a alma. Também lamento que tenha sido tão curta temporada. Foi realmente um privilégio.

Linda Morais disse...

Assisti a produção A casa de Bernarda Alba, foi um presente para nós capixaba. Pude viver intensamente aqueles momentos. Senti um certo medo de Bernarda... A direção e o elenco estiveram impecáveis. Que venha outras. O E.S merece. Aplausos!!!

Papo Batom disse...

Muito bom o seu post sobre a peça, esperamos em breve estar de volta, um grande abraço!!!